HOME AEROPORTO ALIMENTACÃO BAGAGEM CHECK-IN CONSULADOS NO BRASIL LINS UTEIS MUSEUS PASSAPORTE RODOVIÁRIAS TEMPO E TRANSITO VACINAS VIAJANTES ESPECIAIS VISTOS  

                                             


 
CHAPADA DIAMANTINA

 

Os Tesouros da Chapada Diamantina

Ao padroeiro Nosso Senhor Bom Jesus dos Passos os garimpeiros que desbravavam a Chapada Diamantina, no coração da Bahia, pediam proteção e sorte para encontrar uma pedra que mudasse suas vidas. Fosse pepita de ouro ou diamante do tamanho de um olho. Hoje, após o fim do garimpo, a região ainda recebe exploradores interessados em suas riquezas naturais. Só que com outros objetivos.

 

 

 

 

 

 

No lugar das pedras, são as obras de arte naturais que despertam a cobiça dos turistas. Que tiram, de tesouros como Morro do Pai Inácio, Cachoeira da Fumaça, rios, grutas e estalactites, nada além de belas fotos.

 

 

Por sua extensão gigantesca - são mais de 30 mil quilômetros quadrados, área equivalente à da Bélgica - a Chapada Diamantina até hoje não foi completamente desvendada. Some a essa imensidão de formações geológicas raras o conhecimento dos antigos caçadores de riquezas e dos qualificados guias locais. E fica fácil entender que a região é uma espécie de Disneylândia do ecoturismo nacional. Com imenso potencial de revelar novos encantos.

Para melhorar, o destino não tem baixa estação. A época seca (abril a outubro) é ideal para caminhar pelas trilhas e ver os famosos raios de luz atravessarem fendas na pedra para iluminar os Poços Azul e Encantado; a das chuvas (novembro a março) garante cenário verde exuberante e a melhor performance de cachoeiras como a da Fumaça, com seus 340 metros.

Criado em 1985 para proteger parte da região da ameaça do garimpo, o Parque Nacional da Chapada Diamantina ocupa menos de 5% da área total, com 1.250 quilômetros quadrados. Em seu território está apenas parte de tudo o que o visitante pode descobrir. Outros atrativos ficam em propriedades particulares, áreas de proteção ambiental e parques municipais.

"Semelhante variedade de passeios não existe em nenhum outro lugar. Nunca vi tanta diversidade", afirma Jota Marincek, diretor da Venturas & Aventuras, que opera roteiros pela chapada há 20 anos.

 

 

 

 

Faz pouco mais que isso que começou a exploração turística da região e, mesmo assim, não é raro surgirem novos roteiros. A Cachoeira do Buracão (leia na página 11) ganhou destaque no início dos anos 2000 e colocou no mapa a pacata Ibicoara. Duas das mais recentes revelações, as Cachoeiras Encantada e da Fumacinha - queda de quase 200 metros num paredão estreito - dão mais provas dessa fartura. Que se esparrama por 24 municípios (Lençóis, Andaraí, Mucugê e Palmeiras, além do distrito de Capão, são os principais) acessíveis, em sua maioria, pelas rodovias BR-242 e BA-142, ambas em boas condições.

Pela proximidade com o aeroporto e as atrações clássicas, como Morro do Pai Inácio e Grutas Lapa Doce e Pratinha, Lençóis costuma ser o ponto de partida. Está lá a melhor infraestrutura de hospedagem, restaurantes e serviços. Com a vastidão de possibilidades e distâncias entre os pontos principais, o tempo costuma ser fator determinante nos roteiros pela região. Um bom planejamento faz toda a diferença e, muitas vezes, os pacotes turísticos compensam. Caso queira fazer roteiros específicos ou dedicar mais tempo a determinadas atrações tente, ao menos, viajar em grupo: na Chapada Diamantina, ir sozinho pode, sim, ser sinônimo de custo mais alto.

Foi no século 17 que os garimpeiros descobriram ouro em Rio das Contas e Itapicuru, no sul da chapada. O metal foi encontrado em boa quantidade, mas escasseou após um século de remessas a Portugal.

As jazidas de diamantes que batizaram a região foram achados mais de 100 anos depois, em 1845, nos Rios Mucugê e Lençóis. A exploração dos brilhantes contribuiu para a construção da cidade de Lençóis, que chegou a ser conhecida como Vila Rica da Bahia. Isso até que, a partir de 1871, a extração de pedras de altíssima qualidade na ¿?frica do Sul a preços mais baixos que os brasileiros levou esta região da Bahia - e também a de Diamantina, em Minas - ao colapso econômico.

Hoje, as principais fontes de renda por lá são a produção de hortifrútis nos arredores de Mucugê e de café no Vale do Capão e em Ibicoara. O turismo também tem seu destaque. Diante da quantidade de belezas espalhadas, não será de estranhar se os visitantes se tornarem cada vez mais importantes para a economia da região. Se depender das preces ao padroeiro, a procura está garantida.

Vale do Pati revela mais da essência da Chapada

Carinhosamente apelidado de "Caminho de Santiago tupiniquim", o trekking no Vale do Pati revela mais da essência da Chapada Diamantina. Considerada de nível médio, apesar da duração - entre 4 e 7 dias e com 80 quilômetros -, começa no povoado do Bomba. Atrações pelo caminho: o Morro do Castelo, com sua gruta no topo, a Cachoeira dos Funis e o Cachoeirão, que, em época de chuvas, exibe mais de 15 quedas de 300 metros de altura.

Cachoeira da Fumaça: mais interessante vista de cima

A Cachoeira da Fumaça é um cartão-postal que se torna mais interessante se visto por cima. Desde o Vale do Capão, caminha-se intensamente por cerca de 6 quilômetros, pouco mais de 2 horas, até o mirante a mais de 340 metros de altura.

À beira de um cânion colossal, os turistas se deitam para ver a segunda maior queda d’água do Brasil - perde apenas para uma sem nome oficial, com 353 metros, no Estado do Amazonas.

A outra opção, ver a cascata por baixo, exige um trekking pesado de 35 quilômetros desde Lençóis. O caminho mais puxado tem compensações como a Cachoeira do Palmital. As associações locais de guias vendem o passeio por R$ 150 por dia.

Cachoeira do Buracão: um coliseu de mais de 60 metros de largura

A Cachoeira do Buracão, uma gigante de 85 metros de altura, é quase como um desfile de escola de samba. Você pode passar a vida assistindo pela televisão que não entenderá do que se trata de fato. É sentir para crer.

Localizada dentro do Parque Municipal do Espalhado, em Ibicoara, só é permitido entrar acompanhado por um guia. Segue-se o curso do Rio Riachão das Pedras até o ponto em que o visitante vai nadando suavemente rio acima sem saber o que encontrará. Os gritos são agudos e de uma espontaneidade memorável. Um coliseu de mais de 60 metros de largura formado por pedras cuidadosamente encaixadas pela natureza. No canto, tímidas em volume, mas barulhentas, as águas da Cachoeira do Buracão. Me belisca?

Raios mágicos de luz confundem os olhos

A transparência do Poço Encantado - e sua visibilidade de até 65 metros de profundidade - confunde os olhos. De abril a setembro, entre 9h30 e 14 horas, a luz do sol entra por uma fenda na rocha e faz deste o lugar mais mágico da Chapada Diamantina.

Após mais de três anos interditado pelo Ibama - graças à construção ilegal de uma escada em seu interior -, o poço reabriu para visitas há um ano. Outra opção, o Poço Azul, em Nova Redenção, é aberto para banho. Ali também há feixe de luz para tornar o ambiente mais encantador, das 13h15 às 14h30.

Gruta da Lapa Doce é uma das mais visitadas

 

Pelo fácil acesso de carro e boa infraestrutura, a Gruta da Lapa Doce é uma das mais visitadas. Terceira maior do Brasil, tem 17 quilômetros mapeados, mas apenas 850 metros estão abertos à visitação do público.

O lugar impressiona principalmente pela amplitude de seus salões - de até 60 metros de largura em alguns pontos - e pela variedade e beleza de suas formações. Turistas de todas as idades se divertem procurando formas de animais e de personagens nas sombras das estalagmites iluminadas. A visita tem duração de uma hora e custa R$ 15.

Lençóis: a cidade mais cosmopolita

Lençóis, a cidade mais, digamos, cosmopolita da Chapada Diamantina tem boa oferta de restaurantes, pousadas e serviços, além de 24 agências de turismo receptivo. E recebe dois voos semanais desde Salvador.

A chegada é suave. O colorido casario colonial neoclássico sobe a Serra do Sincorá. . As ladeiras de paralelepípedos centenários. Mas o ritmo é de Bahia.

Entre os destaques estão os grafites do artista paulistano Stephan Doitschinoff, o Calma. Questionando a relação entre sagrado e profano, conferiu novos ares ao interior da Capela de Santa Luzia. Os desenhos, feitos em 2007, foram entregues em um Dia de Finados.

Fonte: IG

 

 

© 2008 - TURISMO NA WEB- Todos os direitos reservados